Pular para o conteúdo principal

Observando...


Numa noite estranha de inverno
Céu estrelado
Cachoros latiam
Namorados passeavam
E eu observava

O rádio cantava uma canção...
uma canção de amor
E eu...
...continiava observando

As palntas se deliciavam
com o orvalho da noite
Umas obriam outras fechavam
E eu observava

As nuvens no céu
Iam e vinham
Como se estivessem a bailar
E eu a observar

A noite doi dando lugar a manhã
Os cachorros pararam
Os namorados dormiam
A vida recomeçava
E eu observava

Pris Jardim

Comentários

ValeriaC disse…
Que lindo este seu observar...tudo passando...
Tenha um doce semana amiga!
Beijos...
Valéria
Laiis Benedetti disse…
Esse poema é muito legal, vooc observa tanta coisa linda!!
rsrsrsrs!!
Muito liindo Mãe

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim

Parabéns para todas as Mães !