Pular para o conteúdo principal

13 de Abril- Dia Internacional do Beijo



O BEIJO

Guardo teu beijo, terno beijo, na memória.
No outono cinza, a despedida, último adeus,
como se foras sem deixar-me uma esperança
de reviver o teu carinho e os lábios teus!

Amargurando o teu partir, restou-me o beijo.
Sonho desfeito, nem as folhas esqueceram,
no farfalhar, de relembrá-lo nas canções,
brincando algures junto às brisas outonais!

As estações se sucederam desde então!
Alma constrita, olhar perdido no horizonte,
dei-me ao letargo dos impulsos lascivosos!

Trago a utopia de uma espera que me aturde!
Cedo o destino e a vida; ao tempo, entrego a morte,
mas na esperança de beijar-te uma outra vez!


Antonio Kleber

Comentários

ValeriaC disse…
Que lindo poema e que legal existir também o dia Internacional do beijo...
Minha querida, tenha um feliz dia...beijinhos
Valéria

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim