Pular para o conteúdo principal

Felicidade e Riscos



Feliz é aquele que saboreia quando come, enxerga quando olha, dorme quando deita, compreende quando reflete, aceita-se e aceita a vida como ela é.

Há quem diga que felicidade depende, antes de tudo, de bastar-se a si próprio; de não depender de ajuda, de opinião e, sobretudo, de não se deixar influenciar por ninguém.

Será mesmo? Você pode imaginar uma pessoa assim?

Lao Tzé dizia: "Grande amor, grande sofrimento; pequeno amor, pequeno sofrimento; não amor, não sofrimento".

Pode imaginar você um homem sem paixão, sem desejos? A felicidade, entendida assim, não seria apenas um engôdo, algo contra a natureza humana?

Evidentemente! Sem amor, sem paixão, que sentido teria a existência?

A felicidade é proporcional ao risco que se corre. Quem se protege contra o sofrimento, protege-se contra a felicidade.

Quem se torna invulnerável, torna sem sentido a existência.

O homem feliz aceita ser vulnerável. O homem feliz aceita depender dos outros, mesmo pondo em risco sua própria felicidade.

É a condição do amor e de todas as relações humanas, sem o que a vida não teria sentido.

Autor Desconhecido

Comentários

ValeriaC disse…
Lindo poema minha querida...temos que assumir os riscos da vida, pois se nos protegemos demais do que achamos ruim, nos fechamos ao que possa ser bom...há de buscar o equilíbrio sempre, não é mesmo?
Boa semana Pris...beijos
Valéria

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim