Pular para o conteúdo principal

As Horas ( Pris Jardim)


Me vi assim...
Solitária e retraída
Esperando meu amor chegar
As horas passam no relógio
Eu o escuto a trabalhar
Mas como é duro
Por meu amor esperar!
Sinto sua falta...
sua voz rouca a me falar
Seus braços fortes...
contra seu peito a me apertar
Oh, relógio ingrato...
que faz me coração chorar
As horas parecem anos
Quando você aqui não está.

Pris Jardim

Comentários

Alma Aprendiz disse…
Olá amiga!
Lindo poema!
Para o amor não existe hora!
Muito lindo!
Beijos querida!!!!!!
Laiis Benedetti disse…
mãe.
Parabéns, esse seu poema é muito lindoo!
Eu gostei muito dele!
Continue assim.

Te amo muito

Beijinhos

Lais
Jeanne disse…
Olá, tem um selinho para ti lá no blog.
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim

Parabéns para todas as Mães !