Pular para o conteúdo principal

Eu e o Anjo ( Pris Jardim)


Estou só, sinto um frio, um arrepio.
Perdida na noite, só o céu por companhia.
Olho as estrelas perdidas pelo infinito e me ponho a orar.
Oro por alguém me encontrar
Oro para alguém me amparar.
Estou perdida na noite fria e não tem ninguém a me procurar.
Volto a olhar as estrelas, já estou a implorar.
Imploro por proteção, imploro por perdão.
Desisto.
Sinto que chegou o fim.
Ficarei ali para sempre, ninguém procura por mim.
Solto um último suspiro, me encolho e me guardo.
Olho novamente para o alto e...
"Oh Deus o que faço".
Me refaço do susto.
Do alto ele vem.
Lindo, um encanto, meu anjo salvador.
Me ampara em suas asas.
Me leva ao céu...
-"Isso é sonho"?
Me desfaço. 
Acordo segura em lugar qualquer.
Seu rosto uma moldura, um sonho de mulher.
Levanto e vou andando, já é dia.
Torço pela noite.
Para rever meu amigo.
E assim são meus dias...
...dia andando...
...noite voando.
Pris Jardim

Comentários

ValériaC disse…
Lindo Pris... sempre bom nos lembrarmos que somos sempre amparados e protegidos...beijinhos....
Valéria
Jeanne disse…
Pris querida, grande inspiração! Adorei!
já postei o desafio, beijos
Alma Aprendiz disse…
Olá amiga!
Que lindo!
E quando vc acorda,com certeza estava seguando nas mãos de Deus.
Adoro sonhar!!
Beijos querida,e uma semana de luz no seu coração

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim