Pular para o conteúdo principal

Sonhos de um Anjo ( Pris Jardim) Parte 1

  
_         Bom dia, meu amor, acorda! Você vai se atrasar. Já estou indo para faculdade. Deixei o café pronto, tá bom?
-         Mas ainda é cedo, porque você não toma o café comigo?
-         Você sabe, hoje é sábado, vou passar lá no Lar de Maria antes de ir pra facu, as crianças estão me esperando. Ah! Por favor, lava a loucinha pra mim?
-         Eu sempre me surpreendo com você ,acho que ainda não me acostumei com essas suas idas ao orfanato aos sábados de manhã, mas invejo essa sua disposição.
-         O dia do voluntariado é muito importante pra mim. É quando me sinto realmente utíl, mais próxima de Deus. É um prazer sublime.
-         Oh! Santa Angela! Acarecia-me com o resplendor que emana do seu coração!..
-         Toninho para com isso! Não sou santa coisíssima nenhuma, sou tão falha quanto qualquer outro.Tem tanta coisa ainda pra ser feita; ainda vou arranjar tempo para poder ajudar mais as pessoas.
-         Sou um felizardo. Dei muita sorte de ter você. Agora vai meu amor, senão você vai perder a hora.Te amo!!
-         Fica com Deus meu amor, até mais tarde!

Mais tarde:

-         Como foi seu dia, Toninho?
-         Correria! Aquele gerente novo vai me matar! Ele é muito antipático.
-         Calma meu querido! Ele deve estar se adaptando ainda, com o tempo ele melhora.
-         Como você consegue ser tão positiva? Vem cá, senta aqui, quem sabe consigo pegar um pouco de toda esta energia positiva por osmose!
-         Bobinho!
-         É como dizem: Quem é bom já vem do ovo!
-         Imagina Toninho, já fiz tanta coisa errada!
-         Duvido!
-         Já estamos juntos há um ano. Daqui dois anos nos casamos...
-         Como se já não fossemos casados!
-         Eu sei, é tudo uma questão de documentos. Mas...
...tem muita coisa do meu passado que ainda não lhe contei; como me tornei espírita, por exemplo.
-         Ah! Claro. Isso é um erro muito grave, confesso que não sei quase nada a respeito do espiritismo, mas o pouco que sei não me parece ser uma coisa ilegal.
-         É claro que não é ilegal, mas quero te contar porque me tornei espírita.
-         Angel, você sabe que respeito mas sou meio cético quanto a estes assuntos.
-         Eu também era, se você tiver disposição para ouvir toda a história eu lhe conto.
-         Vambora!!! Hoje é sábado a noite e não temos nada melhor a fazer.
-         Então vou lhe contar como tudo começou:
      Tudo começou há 8 anos. Era sábado à noite. Eu e minha amiga Samara estávamos em um bar muito badalado na época chamado “Quebradeira”.

-         Angel, pega lá no bar mais uma cerveja para nós?
-         O que você falou Samara? A música está muito alta!
-         PEGA UMA CERVEJA NO BAR!!!!
-         Logo agora que eu estava me dando bem com o Roger?
-         Tá, deixa pra lá! Eu mesmo vou.
     
      Ficamos até bem tarde na “balada”, voltamos para casa nos vangloriando dos gatinhos que tínhamos ficado. Eu em particular estava feliz por ter ficado com o carinha mais desejado da balada.
      Além de sermos muito amigas eu e Samara éramos vizinhas. Nossas vidas eram bem parecidas, nossos pais eram sócios e não se importavam muito conosco. Nós só tinhamos uma à outra.
      Naquela noite em particular como cheguei muito tarde em casa, e devo confessar um pouco bêbada, entrei devagar em casa para que meus pais não percebessem a hora que eu havia chegado, mas eles não se importavam com isso.
      No dia seguinte, acordei na maior ressaca. Mal tomei o café e fui direto ao computador teclar com a Samara.

-         E aí Sami, tá de ressaca?
-         Nooossa, nem te falo. Até o barulho da tecla está me incomodando, ahahahahahaha!
-         Você vai para o cursinho amanhã?
-         Acho que não, prefiro ir fazer compras no shopping, AhahAHahAHahA!!!!
-         Desse jeito não vamos entrar na faculdade, rsrsrsrsrsrsrsrs!
-         E quem se importa com isso, nossos pais é que não huahahuahahuahau!

      Realmente nossos pais não se importavam muito. Se íamos ou não entrar na faculdade, para eles pouco importava.
      Samara e eu adorávamos fazer compras, aliás, a Sami era PHD nesse assunto.
      Mais um fim-de-semana chegou. Eu e Samara fomos dessa vez à uma festa, era aniversário de 18 anos de nossa amiga Fabiana. Os pais dela tinham viajado e como presente deixaram a casa e um “buffet” para ela. Estava toda a turma lá, inclusive o Roger, o rapaz que eu estava afim na época.
      Fabiana ficou muito feliz quando chegamos, sempre éramos as últimas a chegar, assim tínhamos a certeza que os rapazes nos olhariam e as meninas nos odiariam. Coisas de adolescente.

-         Fabí, parabéns minha querida.
-         Obrigada, vocês estão lindas!
-         Mas já tá bêbada Fabí?! – falou Samara.
-         Bêbada não! De “pilequinho”, afinal não é sempre que fazemos 18 anos!
         
      Fabiana bebia e fumava muito. Na festa tinha de tudo: bebida, cigarro, comida, e tudo mais que se possa imaginar.
      Em cada canto da casa havia um casal namorando, alguns dançavam, outros olhavam. A festa realmente estava “ótima”.
(continua)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim

Parabéns para todas as Mães !