Pular para o conteúdo principal

Sonhos de um Anjo ( Pris Jardim) Parte 6

      
Roberto e eu saímos do quarto e comece a ver a festa, como que se eu estivesse em outra dimensão. Era uma nuvem negra que pairava sobre meus amigos, todos bêbados e drogados. Em volta deles haviam outras pessoas que também riam e se drogavam juntos. Era uma cena de arrepiar!
      Tudo era em dobro, as pessoas e as sensações. Me assustei quando vi que havia naquele lugar amigos que já haviam morrido, mas mesmo assim agiam como se estivessem vivos e se aproveitando das energias das outras pessoas.
      Uns achavam que realmente ainda estavam vivos, e outros sabiam de sua situação mas continuavam naquele lugar.
      Créeeedo! Que horror!! Acho que nem vou dormir esta noite. Ainda bem que amanhã é domingo!...isso está parecendo mais uma daquelas histórias de terror.
      Lhe confesso que naquele momento pensei a mesma coisa. Perguntei ao Roberto como tudo aquilo era possível e ele me respondeu:

-         Anjo, é como eu lhe disso da outra vez. As pessoas escolhem para onde vão. Essas escolheram ficar por aqui, outras nem se deram conta que já morreram.
-         Mas como isso é possível?
-         Somos o que pensamos. Se pensamos em coisas boas, construtivas, vamos para lugares bons, mas por outro lado, se pensamos em coisas ruins, destrutivas ou até mesmo não nos damos conta de que já morremos ficamos por aqui e continuamos a “viver” como se nada tivesse acontecido. Somos muito bons em mentir à nós mesmos.

      Roberto vendo minha cara, percebeu que eu estava muito confusa mas continuou:

-         Veja sua amiga Fabiana. A vida dela é um caos, seus pais acham que lhe dando dinheiro e fazendo todas suas vontades vão suprir a falta de amor deles, quando na verdade, ela gostaria mesmo era de ser abraçada, beijadas, acariciada e até mesmo repreendida por eles. Ela se envolve com drogas, bebidas para chamar a atenção de seus pais para ela e tentar assim ter um pouco de carinho.
-         Então todos os que estão aqui fazem o mesmo que a Fabi?
-         Não, nem todos. O Roger por exemplo, é amado e querido por seus pais. Seus irmãos são estudiosos e trabalhadores. Roger só quer mesmo é saber de farra, mas nem por isso é menos amado que seus irmãos, mas ele prefere ser o “fortão”, o “bonitão”e não liga para os sentimentos de seus pais.
-         Nossa! Não sei nem o que dizer. O que será que vai acontecer comigo quando chegar minha hora?
-         Você sabe o que deve fazer e pode ajudar também seus amigos se você quiser e se eles quiserem. Não se pode forçar ninguém a fazer ou acreditar em algo.
-         Eu acho que entendi.
-         Acorde Angélica! Vai dormir até amanhã? A Sami já está indo, você não vai com ela?
-         Nossa Fabi! Há quanto tempo estou dormindo?
-         Há um tempão! Você vai ou não com a Sami?
-         Já estou indo.

      Depois dessa festa, resolvi me afastar dos meus amigos. Só a Samara e o Hiroshi ficaram. Os outros queriam levar uma vida que para mim já não fazia mais sentido. Como não quiseram me ouvir, eu resolvi me afastar.
      Samara e eu estávamos sempre juntas. Sempre contava a ela sobre minhas conversas com o Roberto e apesar dela não acreditar e teimar que eu fosse procurar um psiquiatra, ela estava feliz por me ver bem. Nos duas agora tínhamos tempo para passear mais, estudar mais e ela namorar mais. Perdíamos muito tempo em festas e depois curando nossas ressacas.


Continua...

Comentários

ValeriaC disse…
Minha querida vim para te desejar uma semana divina... beijinhos...
Valéria
flavia disse…
a cada parte se torna+interesante e me deixa ansiosa néee,isso não vale kk.brincadeira pode ter certeza que estou apreendendo bastante,bjsss parabénsss
Lucinha disse…
Oi Pris!!!

Bom dia!!

Continuo lendo...

Beijosssss

Fique com DEUS :)

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim