Pular para o conteúdo principal

Nossa Vidas- 6º Parte ( Pris Jardim)


Desembarquei no porto de Santos e como não havia ninguém para me levar para casa, peguei uma carruagem de aluguel até minha casa. Estava feliz por voltar e rever minha família.
No caminho imaginava ver minha irmã casada e quem sabe já com filhos, assim como Marcelo que já tinha tido o seu primogênito o qual não conhecia, só fiquei sabendo pela ultima carta que receberá junto com noticia do casamento de Juliana que era para breve. Perdida em meus pensamentos me lembrei do dia em que soube que meu grande amor era noivo de minha irmã...
Quando cheguei a Santos voltando do Rio de Janeiro com minha irmã para o casamento de Marcelo, fui surpreendida com Rodolfo em minha casa fazendo o pedido de Casamento a Juliana.
- Que bom que vocês chegaram, bem na hora do pedido de casamento de Juliana.- Disse meu pai com sorriso largo no rosto.
Eu me vi em meio de um turbilhão de sentimentos sem explicação, meu pai foi falando:
-Mamãe que coisa boa a senhora, papai e as meninas terem chegado em uma hora tão feliz em nossas vidas.
- Papai que surpresa é essa? Nem sabia que Juliana estava namorando .
- Ora Carla, logo depois de você e a mamãe foram para o Rio, Rodolfo veio nos fazer uma visita e eu me encantei por ele, logo trocamos cartas e finalmente ele veio oficializar nosso amor!
Minha cabeça parecia que ia explodir, queria gritar para todos que se um dia Rodolfo tinha ido até nossa casa, era para me ver, que eu o amava. Tive vontade de agarrá-lo e beijá-lo ali mesmo, mas notei que Rodolfo nem se quer me olhava e quando o fazia era com desdém.
Meu pai nos apresentou e ele só disse prazer, nem ao menos disse que já nos conhecíamos e como também não tive tempo antes de o fazer, não seria agora que o faria. Cumprimentei-o, pedi licença e fui para o meu quarto. Lá fiquei por horas até que Marcelo foi me ver.

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim

Parabéns para todas as Mães !