Pular para o conteúdo principal

Nossas Vidas- 1º Parte ( por Pris Jardim)


Mini Introdução
Essa história se passa no fim do século XIX começo do século XX, nas cidades de Santos- São Paulo e Rio de Janeiro.
Carla nossa protagonista vive um amor proibido, com encontros e desencontros.
É um romance leve porém...

Boa leitura.

Nossas Vidas

Era tarde de outono em Santos, eu estava sentada perto da janela que dava para orla da praia à sua espera. Estava impaciente,meu coração estava aflito, quando a sua carruagem chegou enfim, mal pude conter a emoção, meu coração quase saiu peito a fora.
Ele estava lindo em sua roupa de gala, descendo da carruagem.Ele tinha estatura mediana, corpo forte, olhos castanhos claros e a pele queimada do Sol, era lindo, um Deus grego.
Nesse mesmo instante meus três irmãos desceram as escadas discutindo muito, como sempre eu tive que conte-los e meu amor mais uma vez ficou em segundo plano.
- Vocês podem parar de brigar, Rodolfo já chegou, papai vai ficar furioso se souber dessa briga.
-Você não contaria à ele não é Carla?
-Se for preciso Roberto eu vou contar sim, Juliana, Vanessa e você já estão me cansando, eu sempre tenho que tomar conta de vocês, sempre tenho que defender vocês, Juliana está noiva e nem assim vocês param com essas brigas. E você Vanessa quando vai se conformar que só pode sair se for com o Roberto, quem manda ser assanhada.
-Antes ser assanhada do que cobiçar o noivo da irmã, sua encalhada.
Nesse momento nosso pai Oswaldo, homem sério, de estatura mediana, pele clara, olhos verdes e de poucas palavras entrou na sala e mandou Vanessa se calar, Juliana que amava Rodolfo mais que a sua própria vida, preferiu não acreditar no que tinha ouvido e foi ao encontro do seu amado na sala de estar.
Meus outros irmãos foram em seguida, quando fui me retirar, meu pai me segurou pelo braço impedindo a minha saída, coisa que para ele era fácil, porque eu era pequena de aparência frágil. Ele começou a falar muito bravo comigo, mas em voz baixa.
- Carla, vou te mandar pra Itália para passar algum tempo por lá.
-Mas por que papai? Mal cheguei da casa da vovó e o senhor já vai me mandar embora novamente.
-Seus irmãos já sabem, sua mãe vai enlouquecer se descobrir, você tem que ir.
- Não sei do que o senhor está falando papai.
- Não insulte a minha inteligência, sei do seu amor pelo Rodolfo e você sabe que a sua irmã irá se casar com ele.
-Mas porque ela, sei que ele me ama também e...
Nesse momento fomos interrompidos pela entrada brusca da minha mãe na sala e meu pai já foi falando pra ela que eu viajaria na próxima semana pra Itália, no próximo navio. Minha mãe era uma mulher de estatura baixa, pele clara e olhos de um azul profundo, minhas irmãs eram muito parecidas com ela, eu e Roberto parecíamos mais com meu pai, pele clara e olhos verdes.
Minha mãe nunca questionava as decisões de meu pai, mesmo se não concordasse com elas.
- Vai ser muito bom para você minha filha, ficará na casa de minha tia na Calábria, quem sabe você arruma um pretendente por lá.- Disse minha mãe já se encaminhando para a sala de estar.
Não havia nada que eu pudesse fazer a não ser obedecer aos meus pais.
Saí da sala e me juntei aos meus irmãos na sala de estar, quando entrei Rodolfo estava sentado ao lado de Juliana, ela estava linda em seu vestido azul quase da mesma cor de seus lindos olhos grandes e expressivos. 
Tentei disfarçar meus sentimentos e então saímos para festa de Noivado de minha irmã.

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim