Pular para o conteúdo principal

Nossa Vidas- 8º Parte ( Pris Jardim)


Finalmente cheguei em casa depois de muito tempo, todas essas lembranças me deixaram com mais saudades da minha família. Não sabia como eles estavam e nem tão pouco como me receberiam, mas nada me importava, queria estar com eles. Quando cheguei percebi uma movimentação anormal em casa, Marcelo estava no portão parecia que adivinhara minha chegada.
- Carla, o que faz aqui? – Disse meio ressabiado.
- Nossa meu irmão, depois de tanto tempo é assim que me recebe?
- Desculpe, estou feliz em revê-la é que não sabia de sua volta.
- Decidi voltar após o falecimento de nossa tia, não via mais razão de ficar na Itália sozinha e estava morrendo de saudades de todos.
Marcelo me deu um abraço gostoso e entramos.
Dentro de casa estava um corre corre.
- O que está acontecendo e cadê todos?
- Hoje é o dia do casamento de Juliana.
Aquelas palavras me doeram na alma.
- Como hoje, pelas minhas contas já era pra eles terem se casados a um mês.
- Juliana ficou muito doente e tiveram que adiar a data.
- Mas como ela está agora? Ela está bem?
- Calma, foi uma pneumonia forte, talvez por ansiedade, não sei, mas agora está ótima e vai se casar hoje.
- Agora entendo sua reação ao me ver.
Minhas irmãs e minha mãe chegaram da modista,  quando minha mãe me viu correu para me abraçar.
- Minha filha que surpresa boa te ver aqui e bem no dia do casamento de sua irmã, você está tão bonita, a Itália te vez muito bem.
- Obrigada mamãe, mas acho que não poderei ir ao casamento da Juliana, não tenho roupa e estou exausta da viagem.
- Que bobagem minha irmã, tenho certeza que trouxe um belo vestido da Itália e poderá usa-lo em meu casamento.
-Oh, minha irmã estou tão feliz por você, desejo muitas felicidades para você.
- Estou feliz por você estar de volta Carla, mas também acho que não deveria ir ao casamento.- Disse Vanessa, com um ar de preocupação.
-Também estou feliz de estar de volta Vanessa.
Meu pai chegou com Roberto que quase desmaiou ao me ver.
- Carla, você aqui? Que hora para voltar.
- Não fale assim com sua irmã, seja muito bem vinda minha filha, estou feliz com sua volta e já ia mesmo mandar você voltar, estava com muitas saudades de você.
Entendi a reação de meus irmãos e eu mesma queria fugir dali e só voltar depois do casamento, mas já que estava ia enfrentar tudo de cabeça erguida.
Fui para meu quarto me refazer da noticia e rezar pra que tudo desse certo naquela noite, pois apesar do meu amor por Rodolfo, queria do fundo meu coração que eles fossem muito felizes. Fiquei algumas horas em meu quarto com a desculpa de descansar para o casamento até que minha mãe veio pedir minha ajuda para arrumar Juliana.
Ajudar minha irmã foi muito difícil, mal conseguia disfarçar meus sentimentos, Vanessa vendo meu desconforto disse que eu poderia ir me arrumar que ela terminaria de ajudar nossa mãe.
Voltei para o meu quarto e meu irmão Marcelo veio ver como eu estava.
- Minha menina, você está linda como nunca antes a tinha visto, os ares da Itália lhe fizeram muito bem.
- Ah, Marcelo se eu soubesse do casamento só teria voltado depois.
-Você não tem culpa, a carta que papai te mandou avisando que o casamento tinha sido adiado eu não mandei, pensei que seria melhor você pensar que Juliana já havia se casado, mas hoje vejo que fiz mal.
- Mas porque você não me mandou a carta, tinha medo que eu voltasse e que disse-se a verdade?
-Esse era meu medo, até porque Juliana ficou doente porque soube por um amigo de Rodolfo que seu verdadeiro amor era você.
- Como assim? Porque ele fez isso?
-Porque ele amava Juliana e pensou que se ela soubesse da verdade não se casaria mais, e quase não se casou mesmo, mas Rodolfo disse que era invenção, que ele realmente tinha amado você, mas não sentia mais nada e que queria casar-se com ela.
- Meu Deus, quanta coisa aconteceu enquanto eu estava fora.
- Papai sempre soube da verdade por isso te mandou pra Itália.
-Disso eu sabia ele mesmo me contou, não tenho magoa dele, ele fez o que achou certo de fazer, eu até tentei me interessar por alguém,mas não consegui, resolvi voltar porque estava só e com saudades.
- Carla, minha menina, eu te amo tanto e não queria ver seu sofrimento.
Marcelo me abraçou e chorei baixinho em seu ombro, porque eu ainda amava aquele homem, mas agora já era tarde o destino tinha tratado de nos afastar pra sempre.
Quando Rodolfo ficou sabendo que eu tinha voltado queria cancelar o casamento, mas sua família o obrigou a seguir com aquilo e enquanto eles brigavam os convidados me olhavam feio e diziam que a culpa do atraso do noivo era minha. Todos ficaram sabendo não sei como, mas por onde eu andava tinha olhares reprovadores em minha direção.
O casamento atrasou por duas horas, minha irmã nem percebeu porque estava cercada de tanta gente arrumando uma coisa aqui outra ali, até que o noivo finalmente chegou.
Meu pai estava furioso com tudo aquilo eu me coloquei em um canto meio escondido para não piorar a situação.
Juliana quando entrou no salão estava linda, parecia uma princesa, feliz e radiante. O casamento finalmente começou e tudo ia bem, meu primo Silas me olhava de longe de um jeito estranho e incomodo, mas não dei atenção para ele até que então...

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim