Pular para o conteúdo principal

Nossas Vidas- 3º Parte ( Pris Jardim)


A viagem de navio foi tranquila, sem tempestades, só algumas chuvas fortes em alto mar.
Cheguei na Itália na primavera. Nessa época do ano tem um clima agradavél, nem muito frio nem muito calor.
Vivia muito bem com minha tia, para ela a minha chegada foi a glória, pois estava doente e seus filhos não se importavam. Ela era a típica italiana, baixa, corpo robusto, pele clara, cabelos castanhos e olhos esverdeados.   Eu cuidava dela e da casa com muita alegria.
Minha vida era boa, a casa de minha tia era confortável, ela ficava em frete a um lago onde todas as tardes íamos ver o por do Sol. Ela me contava como fora sua vida na Itália, me contava sobre meu falecido tio, histórias sobre meus primo, nos entendiamos bem, ela falava um pouco de português e eu entendia um pouco de italiano, no final dava tudo certo, mas sempre me dizia:
- Carla minha filha, você é nova porque fica aqui cuidando de uma velha, você deveria ir para cidade e conhecer pessoas.
- Tia Carmela, eu amo ficar aqui e cuidar da senhora e ao mesmo tempo cuido de mim, tenho que me curar de uma doença, a pior delas, o amor.
- Minha menina, isso não se cura você poder viver mil vidas e enquanto esse amor não for vivido em sua plenitude, essa doença nunca irá se curar.
Naquela noite, quando fui me deitar, não conseguia pegar no sono, só pensava nas palavras de minha tia. Será que ela tinha razão? Será que para eu esquecer Rodolfo teria que viver aquele amor? Essas perguntas me pertubavam a cabeça e por mais que pensasse não achava meios de viver aquele amor, afinal ele estava noivo de minha irmã e até eu voltar para o Brasil ele já estaria casado. Cansada de tanto pensar resolvi dormir e esquece-lo de vez.
Alguns meses se passaram e minha tia Carmela veio a falecer,  foi triste, seus filhos cuidaram de tudo. Ela era muito querida por todos, foi uma despedida simples, mas cheia de amor. Sem ter mais um porque de ficar na Itália , resolvi voltar ao Brasil.
Escrevi aos meus pais informando o falecimento de nossa tia e avisando  da minha volta.
Nesse tempo que estive na Itália recebi poucas cartas de meus pais e sempre com poucas palavras, só perguntando sobre mim e minha tia. Pelas minhas contas Juliana já havia se casado e eu não representava mais nenhum perigo para ela ou para seu casamento.
Marquei minha viagem e duas semanas depois embarquei no navio de volta para o Brasil.
 Minha viagem de volta corria bem, o mar está calmo e não havia previsão de tempestades.
Em uma tarde tranqüila subi até o convés para ver o por do Sol e me despedir da Itália. Foi o por do Sol mais lindo que já havia visto. Parecia que o mar e o Sol eram um só, observando aquela maravilha agradeci a Deus por estar tento a oportunidade de ver aquela pintura irretocável.
Uma leve brisa tocava meu rosto, meus olhos  encheram-se de lágrimas, por estar diante daquela beleza inenarrável e por me lembrar de como conheci Rodolfo.
Foi em uma tarde assim que o conheci.

Continua...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema de Cora Coralina

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Eu e o Tempo ( Pris Jardim)

Vou andando... ...caminhando Vejo o novo Aprendo com o velho
No riacho desfaço meu cansaço Vejo o peixe, o pássaro Retomo o passo
Perambulo no tempo Me perco Me acho E volta o cansaço
Agora as pernas falham O lho o espaço Conto o que aprendi Revejo o que vivi
Descanso me refaço Ando e paro Agora me desfaço
Pris Jardim

A Criança e o Adulto

A criança brinca com seu brinquedo distraída, o adulto olha atento a criança que está brincando e perdida em seus pensamentos.
Seus pensamentos na verdade são sonhos, enquanto brinca realiza o desejo de um futuro certo para ela.
O adulto olha a criança e se lembra de quando era criança, de seus sonhos e certezas e de como tudo ficou diferente e pensa: " Santa ingenuidade que nos faz tão bem, bom seria ser criança que não pensa, só brinca".
A criança olha o adulto e pensa: "Que bom que seus sonhos se realizaram e ele agora só pensa que tudo deu certo".
Ambos se entre olham e sorriem, a criança volta a brincar e a sonhar e o adulto volta a observar a criança e a suspirar: " Santa ingenuidade".

Pris Jardim